Seguidores

Alô queridos!!!

Alô queridos!!!

quarta-feira, 13 de janeiro de 2010

Is exercise the new trend in drug and alcohol treatment ?

O exercício é a nova tendência no tratamento de droga e álcool?

O Departamento de Saúde e Serviços Humanos patrocina estudos sobre mecanismos neurobiológicos e comportamentais que sustentam os efeitos de atividade física na função cerebral. Eles especificamente são interessados nos efeitos do exercício, preparação e atividade física na prevenção e tratamento de abuso de droga. A teoria é que o exercício pode fornecer ter um efeito e/ou profilático de tratamento de melhorias para vício. Mas como atividade física é ligada à melhora do bem-estar psicológico?

Eis a questão.

O exercício e a preparação são tão bons para você, que eu duvido que este estudo possa dar errado. Correr, andar de bicicleta, caminhar ou malhar num ginásio sente-se muito bem. Eu não sei por que. Mas funciona. As pessoas que participam regularmente em equipes esportivas, artes marciais, ou aventuras ao ar livre e tanto o lazer saudável como recreativo são restaurativos (como passeios de natureza ou caminhadas). O fator positivo, atividades vigorosas, tal como dança e a brincadeira livre flexível de crianças deixam sentir-se para cima!

Mas o que é interessante é que avanços recentes nas tecnologias de neuro imagens tal como FMRI, MRI, ANIMAL têm o potencial de definir os efeitos de atividade física nos processos do cérebro com o comportamento subjacente de abuso de droga e vício. Estas tecnologias literalmente podem nos mostrar o que nós sentimos. Então o que nós uma vez conhecemos como um "natural sentir para cima" agora talvez se torne conhecido pela ciência.

A meu ver, uns mandatórios 30-45 minutos de exercício físico diário devem ser presentes em qualquer cenário de tratamento de adição. Índices ideais variarão de acordo com idade, peso, etc., mas viciados devem receber movimento. Não só isto irá melhorar resultados desejados de saúde (saúde cardiorrespiratório, saúde músculo esquelética, saúde funcional, equilíbrio de energia, prevenção de câncer), mas também o exercício de preparação mandatório certamente pode ajudar adictos a liberar bloqueios emotivos e mentais que talvez ocorram durante sessões de terapia comportamentais e cognitivas.
É minha suposição que se exercita e preparar-se só pode afetar positivamente a disposição, sono, função cognitiva, tensão, ansiedade, dieta e peso.

O que você acha? Isto é um não? Temos somente de ver “as estrelas” para acreditar em nossos corpos? E o que segura os adictos de apoiarem-se no exercício em primeiro lugar? O que podemos fazer para tirar-lhes as botas e colocá-los em um ginásio de esportes?

Tradução: Eliane Jany Barbanti

Um comentário:

Lic.Daniel Gianni disse...

SOY DE ARGENTINA MUY INTERESANTE TU BLOG TAMBIEN SOY PSICOLOGO
UN SALUDO

Nupsea