Seguidores

Alô queridos!!!

Alô queridos!!!

quarta-feira, 9 de julho de 2014

Exercícios físicos e depressão - Um forte aliado contra a depressão


Qualquer pessoa querendo sair de uma situação de saúde abalada e difícil, entre as várias recomendações que vai ouvir, uma será a atividade física. Pelo menos a maioria absoluta das doenças pode ser revertida com exercícios físicos e disso quase todo mundo sabe da mesma forma que sabe que o fumo faz mal à saúde.
Entre as doenças do mundo moderno a depressão é uma que os exercícios físicos podem fazer diferença no tratamento principalmente se tratada por uma equipe multidisciplinar. A doença geralmente é grupada em fatores psicológicos, genéticos e biológicos e em todos, os exercícios podem agir.
Separação, morte de cônjuge ou familiar próximo, aposentadoria, sensação de inutilidade, perda de status, diminuição da vitalidade entre outras, são considerados os mais fortes fatores psicológicos.
Entre os fatores genéticos é certo que algumas pessoas podem apresentar tendência. Determinadas situações cotidianas para uns não representam nada enquanto para outros pode ser o fim do mundo.
Entre os fatores biológicos além da queda natural de hormônios podemos citar as drogas e o alcoolismo.
Não é nenhuma novidade que as drogas ilícitas como a maconha, a cocaína e o crack escravizam uma parcela da população, mas o grande problema são as legalizadas como o álcool, o tabaco, os ansiolíticos, as anfetaminas e/ou os moderadores do apetite recrutando um percentual bem maior de pessoas de ambos os sexos. A dependência dessas drogas pode levar à depressão em diversos níveis. Claro, uma vez instalada a depressão por conta de uma dependência química ou do álcool o sujeito só tem chance de cura se procurar ajuda e o exercício físico tem sido recomendado principalmente no sentido de eliminar as toxinas, melhorar o relacionamento com pessoas, as condições músculo-esqueléticas, a cardiovascular, resgatar a auto-estima entre outras vantagens. Os médicos reconhecem que essa é uma guerra difícil de vencer onde mais da metade tem recaída após abstinência por um período, mas qualquer atitude é sempre mais promissora quando incluída a atividade física.
Uma das pesquisas fidedignas no final dos anos 90 concluiu que pacientes tratados com medicamentos e exercícios têm mais sucesso na cura da depressão e menos chances de recaídas quando comparados a grupos tratados apenas com medicação, grupo esse que apresenta uma melhora significativa apenas inicial. Veja mais em Tratamento da Depressão
Em longo prazo a atividade física principalmente quando feita todos os dias passa a dominar o sujeito criando um novo vício. Ou seja, há uma troca de um vício ruim por um salutar. Isso, segundo Cooper de deve a liberação pelo sistema nervoso central de substâncias chamadas endorfinas que causam uma sensação de bem estar permanecendo por várias horas depois de encerrado o exercício. É mais evidente nas atividades de média e longa duração, superior respectivamente a 30 e 60 minutos. Essa sensação os corredores conhecem bem por muitos mencionados como o “barato da corrida”.
Na questão da queda hormonal com o envelhecimento, em pessoas sadias, o mais evidente ocorre no sistema nervoso central com os neurotransmissores responsáveis pelo estado de humor que o exercício estimula. A queda natural da força pode ser revertida ou pelo menos retardada com a musculação, exercício que parece estimular a secreção da testosterona e hormônio de crescimento. As pesquisas atuais dão conta que os melhores rendimentos estão associados ao volume semanal de treinamento, intensidade, descanso adequado entre as seções e massa muscular envolvida. Alta intensidade de curta duração envolvendo grandes grupos musculares está associada às melhores respostas da testosterona imediatamente após o término do exercício. Entretanto vale lembrar que a dose faz o veneno. O excesso pode provocar o efeito inverso razão pela qual o ideal é que o programa deva ser prescrito por um profissional habilitado constando de exercícios aeróbios intercalados com a musculação. Conclui-se que exercício sozinho não é a solução de todos os problemas, mas é um forte aliado contra a depressão.

Extraído do site Copacabana Runners - Atletismo e Maratonas© 1999-2008
Helio A. F. Fontes
Utilização de material original do site
DÚVIDAS SOBRE DEPRESSÃO - PsiqWebDisponível on line emhttp://gballone.sites.uol.com.br/voce/dep.html.







Um comentário:

Terapia do Corpo disse...

Gostei dessa matéria.
Eu pratico dança e na minha vivência vejo muitos casos de mulheres com depressão procurando a dança como forma de ajudar e vemos resultados sim.
Abraços,
Ligia
www.euadoroesporte.com.br

Nupsea